Villa Savoye: Antes da Restauração



Quando era uma escola


Estamos acostumados com a imagem da Villa Savoye das fotos que conhecemos dos livros e internet: nova, branquinha, bem conservada e com os móveis intactos. Mas saibam que nem sempre foi assim!

Na verdade, a casa começou a se deteriorar desde os primeiros anos de sua construção. Como a laje plana era novidade, não existia tecnologia para impermeabilizá-la corretamente. Emilie Savoye, dona da casa, enviou diversas cartas pedindo ajuda a Le Corbusier: "está chovendo na sala, no banheiro, no quarto", mas sem solução, ela abandonou a residência.

Sala

Com a chegada da segunda guerra, a família Savoye empobreceu, e foram obrigados a trabalhar no campo: a casa passou a servir de celeiro! Ainda nesta época, foi ocupada por tropas alemães e inglesas, que contribuíram para sua destruição, entupindo tubulações, quebrando vidros, e realizando reformas.

Servindo de Celeiro

Ao fim da guerra, a casa foi desapropriada pelo governo francês, uma escola passou a funcionar lá e novamente, outras reformas foram realizadas. Na verdade, a prefeitura tinha planos para demolir a casa e construir outra escola, e ao saber disso, Emilie manda imediatamente uma carta a Le Corbusier, avisando-o do perigo que a casa estava correndo....

Saiba o resto da história e veja mais fotos clicando abaixo:


 Ele então, inicia uma grande luta para impedir a destruição de sua "casa manifesto", pedindo ajuda a órgãos internacionais e arquitetos de várias partes do mundo (especial papel de Giedion nesse esforço).

Houve muita relutância por parte do governo francês, pois a arquitetura moderna ainda não era reconhecida como patrimômio digno de ser tombado, muito menos tombar obra de arquiteto ainda vivo era permitido.




Somente anos depois, em 1965, quando da morte de Le Corbusier, a restauração é iniciada, durando até os anos 1990, quando foi totalmente finalizada. As prioridades foram reverter a casa ao plano original, retirando as reformas; retomar o esquema cromático; renovar a impermeabilização; trocar todos os sistemas elétrico e hidráulico.

Felizmente, foi salva a tempo, e não teve o mesmo destino de muitos edifícios modernos (demolição). Hoje, funciona como museu, e é reconhecida mundialmente pelos seus valores da "máquina-de-morar".


















__________

Comentários

  1. http://www.facebook.com/album.php?id=192382316581&aid=282463

    http://www.archiportale.com/progetti/lucio-tuzza/verona/history-of-architecture-of-900-with-the-models._27107.html


    Buon giorno
    Lucio Tuzza

    ResponderExcluir
  2. infelizmente a villa savoye é um péssimo exemplo de restauração da arquitetura moderna: sacraliza o projeto original ao invés de incorporar a história no projeto de restauro, colaborando à mitificação do criador. Além disso, o caráter fragmentário presente na obra antes do restauro é bem mais interessante, ao explicitar os recursos e as gambiarras feitas nos anos 20 para materializar o desejo de eterialização da arquitetura moderna.

    Escolheu-se o caminho do ícone ao invés do da história.

    ResponderExcluir
  3. Tenho que discordar do colega. Acredito que tenha sido um bom exemplo de restauro. Ela conservou exatamente aquilo que torna a casa um ícone: os cinco pontos da arquitetura moderna. Se todas as reformas da casa tivessem sido mantidas, acredito que essa casa não passaria de mais uma obra restaurada...

    ResponderExcluir
  4. Cara blogueira,

    As fotos são realmente impressionantes. Você poderia dizer qual é a fonte e a datação delas? Para mim seria importante pois estou fazendo um trabalho em que elas poderão ser úteis.

    A história da Villa Savoye é um exemplo dos desatinos da preservação do patrimônio moderno, dos critérios de proteção às falsas teorias da autonomia do restauro do moderno.

    ResponderExcluir
  5. Denise, as fotos são de épocas diferentes, desde pouco tempo depois da inauguração da casa até os anos 1970. As fontes são diversas, algumas foram tiradas por Giedion, e estão num livro dele (não sei exatamente qual), e as outras eu encontrei em alguns sites aqui da internet. Espero ter ajudado! =)

    ResponderExcluir
  6. Quase chorei, pois estudei muito esta casa, sito como se tivesse vivido nela. Fiz maquetes dela.

    ResponderExcluir
  7. Acredito ser um bom exemplo de restauro, pois, alem de preservar as características principais da obra, deu a ela uma destinação sustentável. É muito emocionante circular por seus ambientes e jardins, sem que seja por entre ruínas. A Villa estava a frente do seu tempo e dis métodos construtivos da época, inclusive (e principalmente) impermeabilização. Esta foi a principal “gambiarra” corrigida nos restauros.

    ResponderExcluir
  8. Só sinto falta do colorido azul e havana dos paraventos da cobertura, que ficaram inexplicavelmente brancos no restauro. A mesma tonalidade de algumas paredes internas e um belo azul celeste firam reportadas por Phillip Johnson em 1933 em The International Style e ainda podem ser vistas na maquete que fez parte da mesma exposição e está mo MoMA, em Nova York.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Quero prestar vestibular para arquitetura, o que preciso saber?

Autocad ou Revit?

Plantas humanizadas 3d